top of page
  • Foto do escritorFincatch

O brasileiro precisa aprender a poupar e as empresas podem ajudar




Sempre que me deparo com os números sobre o endividamento no Brasil, me espanto. Não tem como considerar normal que 79,3% dos lares do país estejam endividados. E isso não é fala minha, é resultado de pesquisas. Esse dado eu tirei de um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).


Claro que num país onde o desemprego é alto, hoje ainda temos quase 9% da população economicamente ativa sem emprego, não é difícil entender o endividamento. Mas agora eu pergunto: quando foi diferente? Quando o desemprego foi baixo? E quando o poupar entrou na tabela de gastos e entradas do brasileiro?


Ter um planejamento de gastos e um controle do orçamento familiar é fundamental. Pode ser no papel, no excel ou mesmo em algum aplicativo. O que não pode deixar de existir é um controle recorrente das despesas. Porque é aí que se descobre os exageros e se identifica as oportunidades de economia.


Veja o caso do uso do 13º salário, muitos já receberam a primeira parte e aguardam ansiosos o restante, e para que? Para pagar dívidas. Notou que as dicas dos economistas são quase sempre para usar esse dinheiro extra na quitação de débitos. É claro, a maioria está endividada e quando esse é o cenário não tem como fugir. Caso tivéssemos um planejamento financeiro não seria assim, pois poupar estaria na tabela de destino do dinheiro.


O RH de algumas empresas, já atento a esse quadro, começa a oferecer planos de controle financeiro como um benefício humanizado a seus funcionários. Isso é fantástico, além de garantir o futuro de seus colaboradores garante, por tabela, que eles tenham mais foco no trabalho, mais produtividade, menos turnover e menos noites de sono perdidas. A recente pesquisa Perfil e Comportamento do Endividamento Brasileiro, encomendada pela Serasa e produzida pelo Instituto Opinion Box, mostra que 83% dos endividados têm dificuldade para dormir por conta das dívidas; 78% têm surtos de pensamentos negativos devido aos débitos vencidos e, dentre vários outros apontamentos, 74% afirmam ter dificuldade de concentração para realizar tarefas diárias.


O empoderamento financeiro muda a vida das pessoas. É preciso mudar a relação das pessoas com o dinheiro, independentemente da renda mensal de cada um. Por meio de (re) educação financeira e com a ajuda de planejadores financeiros é possível conquistar o equilíbrio das finanças e o bem-estar pessoal.


Por Lucas Radd, sócio-fundador e CEO da Rufy, plataforma de saúde financeira, destinada para pessoas e empresas, interessadas em oferecer o sistema como benefício aos colaboradores.

1 visualização0 comentário
Post: Blog2_Post
bottom of page