top of page

Febraban Tech 2024: o que esperar do mercado financeiro para os próximos anos?


febraban tech


Na próxima semana, São Paulo recebe o maior evento de tecnologia e inovação do setor financeiro, o Febraban Tech 2024, que promete reunir vários players do mercado para debater sobre temas atuais de economia digital e novos recursos e avanços da inteligência artificial. 


Conforme a pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2024, realizada pela Deloitte e Febraban, 83% dos bancos estão comprometidos com uma agenda de transformação contínua, priorizando a experiência do cliente como forma de diferenciação e direcionando os investimentos em tecnologia para este propósito.


A pesquisa também aponta que a indústria bancária continua a investir em tecnologia, alcançando 104% de orçamento em oito anos, priorizando investimentos em dados, segurança cibernética e experiência do cliente. Esses aportes podem chegar a R$47,4 bilhões e serão fundamentais para manter a competitividade e impulsionar o crescimento no atual cenário econômico, destacando o compromisso do setor com a inovação e a excelência operacional. 


Com o crescimento do setor e os investimentos em tecnologia e nas novas ferramentas de inovação, reunimos 6 temas que prometem se destacar durante o Febraban e no mercado bancário nos próximos anos, confira!  

 

Cross Industry 


O conceito de Cross Industry refere-se à integração e colaboração entre diferentes setores para criar novas oportunidades de negócio e inovação. Com a digitalização e a disponibilidade crescente de dados, indústrias que antes operavam isoladamente agora podem se conectar e explorar sinergias que antes eram inimagináveis.


No cenário do Open Finance e Open Insurance, essa integração se torna ainda mais crucial, considerando que a troca e uso de dados entre esses setores estão redefinindo a forma como produtos e serviços são oferecidos e consumidos no mercado.  


Para o Diretor de Negócios da Lina Open X, Murilo Rabusky, a abertura de dados financeiros e de seguros permite uma visão precisa do perfil dos clientes e possibilita a criação de soluções personalizadas e eficientes. “Empresas que conseguirem aproveitar essa interconexão terão uma vantagem competitiva significativa, podendo oferecer produtos e serviços que atendam melhor às necessidades dos consumidores”, acrescenta.


Open Finance


O Open Finance, uma iniciativa do Banco Central, oferece aos consumidores a oportunidade de consolidar todas as suas informações financeiras em um só lugar, proporcionando uma visão abrangente de suas finanças e facilitando a tomada de decisões. “À medida que o conceito e os benefícios do Open Finance são entendidos, cresce a disposição dos brasileiros em compartilhar seus dados financeiros. Isso reflete no rápido crescimento do Open Finance no Brasil”, destaca o CEO da Lina Open X, Alan Mareines. 


Números afirmam a fala do CEO, após o Open Finance ultrapassar a marca de 42 milhões de usuários e possuir uma melhor adesão por parte dos bancos, instituições de pagamento, cooperativas de crédito e fintechs. O aumento significativo na adoção é uma consquência da crescente compreensão de seus benefícios e funcionalidades.  


Pix 


O Pix, plataforma de pagamentos instantâneos desenvolvida pelo Banco Central do Brasil, tem se destacado pela agilidade e eficiência nas transações.


Em três anos de existência, movimentou R$29,7 trilhões em 66,5 bilhões de transações, conforme a autoridade monetária, e se consolidou como a forma de pagamento mais utilizada pelo brasileiro — isso representa uma média de R$27,5 milhões movimentados por dia. A agilidade do Pix já registrou mais de 150 milhões de transações diárias, e 99% delas são liquidadas em pouco mais de um segundo.  


Segundo Mareines, “O Pix e o Open Finance caminham lado a lado porque ambos estão centrados na transformação digital e na criação de um ecossistema financeiro mais dinâmico e acessível a todos.”


Inteligência Artificial 


A inteligência artificial vem mostrando sua importância em diversos segmentos, e no mercado financeiro não é diferente. O uso dessa tecnologia no mercado financeiro pode ser visto nas aplicações de biometria facial e chatbots, sendo utilizado entre os principais bancos, conforme o levantamento, que destaca que estas tecnologias trazem segurança, eficiência nas operações e atendimentos cada vez mais personalizados. 


De acordo com  o estudo da Juniper Research, espera-se que os gastos globais com chatbots devam alcançar US$ 72 bilhões até 2028. Além disso, diversos bancos, principalmente os digitais, já utilizam a tecnologia de biometria facial nas operações via aplicativo.“A IA tem sido explorada por grandes empresas mundiais há muito tempo e justamente por isso, hoje, podemos ter acesso a serviços que utilizam a tecnologia e viabilizam a democratização da digitalização financeira. Esta é uma tecnologia que pode impulsionar o crescimento e o desenvolvimento em todos os setores, e não é diferente no setor financeiro”, destaca, Murilo Rabusky. 


Drex


A nova moeda digital brasileira tem nome e previsão de liberação para o uso da população.  A Drex deve ser liberada ao público no final de 2024, e nada mais é do que uma nova representação do Real, só que 100% disponível em uma plataforma digital. Ou seja: o Drex é o Real, mas em plataforma digital. 


Esta moeda deve ter utilidades parecidas às do sistema de pagamentos instantâneos, o PIX, mas há diferenças importantes entre elas, como a possibilidade de compra e venda de títulos públicos, por exemplo. 


“A transformação digital já é uma realidade, avança ano a ano, e vem para  elevar o nível do mercado no país, além de democratizar o acesso aos serviços bancários. O Brasil já é referência mundial em Open Finance, conta com uma tecnologia avançada como o Pix, que também é referência no mundo, e tanto o cliente quanto o mercado só têm a ganhar. As instituições precisam cada vez mais explorar de forma inteligente as oportunidades que surgem com os avanços tecnológicos, e o horizonte se mostra positivo”, conclui Alan Mareines. 


17 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
crowdtech
bottom of page